Idoso é preso em Borda da Mata, em Operação contra Piratas de Cursos que faturaram R$ 15 milhões


Nesta terça-feira, dia 21 de julho, a Polícia Civil de Minas Gerais e a Polícia Civil do Rio de Janeiro prenderam um idoso de 71 anos, suspeito de hackear cursos.


De acordo com as investigações, a quadrilha invadia sistemas há pelo menos 20 anos e faturou R$ 15 milhões anunciando apostilas e videoaulas pirateadas, vendidas por valores de até 10% do material oficial, que valiam de R$ 500 a R$ 10 mil.

Os prejuízos das empresas cujo conteúdo foi 'hackeado' chegam a R$ 67 milhões. Os cursos pirateados eram para a área de segurança pública, como Polícia Civil, Polícia Federal e Rodoviária Federal, além de concursos para carreiras fiscais e jurídicas.

Um dos alvos da operação foi preso em Borda da Mata, no Sul de Minas. Um homem, de 71 anos, e é apontado como o hacker que invadia páginas de cursos para roubar os conteúdos. Uma mulher, de 35 anos, filha do suposto hacker, foi presa em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira.

De acordo com a Polícia Civil, “o suspeito, de 71 anos, possui conhecimentos avançados em tecnologia da informação e era o responsável por quebrar a criptografia do streaming de vídeo dos cursos oficiais e transferir os arquivos para um servidor próprio”.

No decorrer das investigações verificaram que as aulas eram disponibilizadas para os clientes das plataformas virtuais gerenciadas pelo principal suspeito de liderar o grupo, um homem, de 35 anos, preso no Rio de Janeiro, juntamente com um irmão, policial militar e a mãe, uma cabeleireira.

Sobre a Operação

Foto: PCMG

Foto: PCMG

A ação, desencadeada nas cidades do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, Niterói, São Gonçalo, Saquarema, Araruama e nas cidades mineiras de Juiz de Fora e Borda da Mata, contou com um efetivo operacional de mais de 100 agentes da Polícia Civil de Minas Gerais, por meio das Delegacias Regionais de Pouso Alegre e de Juiz de Fora, do DGPE (Departamento Geral de Polícia Especializada), da 8ª DPJM (Delegacia de Polícia Judiciária Militar da PMERJ), além do apoio logístico do 4º DPA (Departamento de Policiamento de Área).

Utilizando modernas técnicas de investigação, com quebras de sigilos telefônicos, telemático, bancário e fiscal, dentre outras, os agentes descobriram que o grupo comercializou milhares de cursos preparatórios pirateados, inclusive para os concursos das Polícias Civis dos estados, Polícia Federal e Rodoviária Federal, além de cursos das carreiras fiscais e jurídicas, causando um prejuízo estimado em 65 milhões de reais aos cursos oficiais.

Os agentes também descobriram que para ocultar a grande movimentação financeira de origem ilícita, o líder utilizava seus parentes como laranjas. Durante o período foi investigada a mãe dele, que possui um salão de beleza e teve movimentação bancária de 1,5 milhões de reais e ganho líquido próximo a quinhentos mil reais em operações de bolsas de valores, de acordo com o Relatório de Inteligência Financeira (RIF) do COAF.

Outro artifício utilizado para ocultar o capital obtido criminosamente era o de manter os bens adquiridos em nome dos vendedores. Com essa mesma finalidade os investigadores identificaram também uma empresa fantasma sediada em um shopping de luxo na capital paulista.

Na ação de hoje, dia 21 de julho, os policiais fizeram o levantamento do patrimônio dos envolvidos no esquema criminoso para identificar os bens adquiridos com dinheiro de origem ilícita e embasar posterior sequestro judicial dos recursos.

Tecnologia do Blogger.