Zema coloca todas as cidades de Minas Gerais na Onda Roxa

Todos os municípios de Minas Gerais irão entrar na Onda Roxa na próxima quarta-feira, 17 de março. O governador Romeu Zema (Novo) tomou a medida após reunião com os prefeitos das microrregionais do Estado e com os consórcios de saúde na noite desta segunda-feira, 15 de março.


Segundo fontes ouvidas pela reportagem de O TEMPO, a decisão teve apoio da maioria dos prefeitos e será obrigatória até mesmo para aquelas cidades que não fazem parte do Programa Minas Consciente. A medida deve ser anunciada na manhã desta terça-feira (16) em coletiva de imprensa do governador com o novo secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. A restrição irá valer por 15 dias.

“É uma medida dura, mas extremamente necessária neste momento para evitar um cenário pior do que já estamos vivendo. Faço um apelo a todos os mineiros: precisamos manter as medidas de proteção e distanciamento social. Não vamos deixar que o cansaço nos vença. Por favor, respeite e colabore para que possamos vencer essa guerra”, afirmou Romeu Zema, em vídeo divulgado nas redes sociais após a reunião.

Zema reforçou ainda que a situação atual do Estado é a mais grave desde o início da pandemia, em que os hospitais estão no limite de leitos disponíveis.

“As filas nos hospitais só têm aumentado. Sabemos que a solução definitiva para esse cenário é a vacinação. Ela está mais rápida, mas ainda é insuficiente para garantir a queda na busca por atendimento médico. Por isso, não nos resta opção a não ser adotar medidas mais restritivas. É uma questão humanitária, para não assistirmos cenas de horror”, disse Zema aos prefeitos.
 
Para o presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Julvan Lacerda (MDB), as restrições só surtiram efeito se também tiver vacina. "Resistência sempre vai ter, porque é uma decisão difícil para o prefeito que sofre pressão de todos os lados. Mas essa foi uma medida tomada por técnicos, não é achismo. Estamos vendo a saturação do Estado e chegou em um momento que não dá mais", afirmou.

Segundo Lacerda, o governo do Estado irá fiscalizar o cumprimento das medidas junto com as prefeituras. "As forças de segurança vão estar empenhadas, antes era uma obrigação somente das prefeituras, mas a população precisa se consicentizar. Essa medida não vai adiantar. O que vai acabar com o problema é a vacina. A Onda Roxa é para desacelerar por um tempo a doença", pontuou o presidente da AMM. 

Também presente na reunião desta segunda-feira, o comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais, coronel Rodrigo Rodrigues, se comprometeu em intensificar as fiscalizações.

“Vamos reforçar os nossos turnos, principalmente nos horários de 15h às 23h e 23h até as 6h, para evitar a circulação. Onde não há guardas municipais, a própria Polícia Militar está sendo orientada para dar esse apoio aos municípios. Principalmente em relação a aglomerações em sítios, pessoas fazendo churrasco”, explicou.

Neste fim de semana, Minas Gerais incluiu mais 88 cidades na Onda Roxa do programa. Os municípios pertencem à macrorregião Centro-Sul e às microrregiões de Juiz de Fora, Lima Duarte, São João Nepomuceno, Bicas e Santos Dumont. Atualmente, cerca de 300 cidades estão na fase mais restritiva do Minas Consciente, que prevê toque de recolher após às 20h e o fechamento de todo o comércio não essencial, além da proibição da realização de eventos e até de reuniões familiares.

BH. Procurada, a Prefeitura de Belo Horizonte, informou que, até o momento, não foi oficialmente comunicada da medida.

Leitos

Nesta segunda-feira (15), a ocupação de leitos destinados a pacientes com Covid-19 nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do SUS já ultrapassou o limite máximo em 20 das 73 microrregiões de saúde de Minas Gerais. Segundo o painel do governo do Estado, não há mais leitos de UTI disponíveis na rede pública em 27% das microrregiões - no último domingo, 15% dos conglomerados registravam taxa de ocupação de 100% ou mais. Atualmente, Minas contabiliza 85,31% de ocupação dos leitos de UTI. 

A região Leste do Sul é a que registra maior ocupação de leitos de UTI Covid. De acordo com a Secretária de Estado de Saúde (SES), a ocupação, nesta segunda-feira (15), era de 114,06% na rede pública.

Mas é na cidade de Janaúba, no norte de Minas, localizada na macrorregião Norte, que o sistema já "superou o colapso", segundo o prefeito, Zé Aparecido (PSD). Atualmente, a microrregião Janaúba/Monte Azul tem ocupação de 130% dos leitos de UTI. "Nós atendemos 15 municípios, somos referências para 300 mil pessoas, e só temos cinco leitos de UTI", afirmou o prefeito.

De acordo com Zé Aparecido, desde julho a prefeitura solicita ao governo do Estado a habilitação de mais 15 leitos de UTI, mas só na última semana a cidade recebeu o aval para alugar as estruturas. "A rede no município já era ruim, mas agora só escancarou um problema antigo", destacou. Segundo o chefe do executivo, com a liberação dos novos leitos, a expectativa é que daqui 20 dias toda estrutura já esteja funcionando. 

"Nós estamos com tudo fechado, mas não temos estrutura para aguentar as cidades do entorno que não fecham e encaminham seus pacientes. A ideia é que em 15 dias pudéssemos abrir tudo de novo, mas não sei. A situação está muito complicada", argumentou o prefeito. Desde o início do mês, Janaúba está na onda roxa do Minas Consciente. 





Tecnologia do Blogger.