Dinamarca retirará suas tropas após novo pedido da junta militar

Publicados: Mudado:

A Dinamarca decidiu deixar o Mali após repetidas exigências do governo interino de retirar seus 100 soldados.

Dinamarca toma nota dos novos requisitos do governo interino do Mali Na quinta-feira, 27 de janeiro, seus militares estavam prontos para se retirar.

“Os generais no poder enviaram uma mensagem clara, reafirmando que não estavam na Dinamarca.[était] Não é bem-vindo no Mali. Não aceitamos isso e por isso decidimos enviar nossas tropas de volta ”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jeppe Kofot, após a sessão parlamentar.

O ministro interino do governo e porta-voz, coronel Abdulla Mika, leu um comunicado de imprensa no canal nacional ORTM1 na noite de quarta-feira, instando a Dinamarca a retirar suas forças especiais. Oficiais controversos da Dinamarca, França e países europeus envolvidos nas Forças Especiais Takuba.

“Ainda não estamos na fase de um incidente diplomático, que pode ser um mal-entendido entre o governo do Mali e o governo dinamarquês”, disse o coronel Micah. Ele acrescentou que Bamako teria direito a um “pedido de desculpas das autoridades dinamarquesas”. Ele também mencionou a “muito boa reputação” da Dinamarca no Mali porque atuou em apoio ao seu desenvolvimento. “Nós os convidamos a se concentrar em alguns aliados que infelizmente estão encontrando dificuldades para eliminar os reflexos coloniais”, continuou ele.

Essa hostilidade renovada ocorre em meio a um debate sobre a força Takuba, um grupo das Forças Especiais Europeias liderado pela França que luta no Sahel contra grupos jihadistas armados. A Dinamarca enviou 105 homens este mês em apoio ao seu ranking.

Tensão com Paris

O coronel Micah criticou a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Barley, pedindo “mais contenção”. […] Devemos respeitar o princípio básico de não interferir nos assuntos internos de um Estado.”

La Force Taguba, Abrangendo 14 países, reunindo de 600 a 900 pessoas, entre equipes médicas e de logística. A França teme que o capítulo dinamarquês questione futuras implantações planejadas este ano pela Noruega, Hungria, Portugal, Romênia e Lituânia. Noruega, Portugal e Hungria aguardam a luz verde de Bamako.

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, denunciou na quinta-feira as ações “irresponsáveis” do regime militar “ilegal” no poder em Bamako, enquanto a Dinamarca anunciou a retirada de suas tropas do Mali.

“Esta junta está tomando ações ilegais e irresponsáveis […]. Aceita total responsabilidade pela retirada das forças dinamarquesas e se isola ainda mais de seus parceiros internacionais “, disse ele ao seu rival nigeriano, Hasomi Masood, em Paris.

Com AFP e Reuters

READ  Holanda: O jornalista investigativo Peter de Vries foi morto a tiros

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal O Aperitivo