septembre 20, 2021

Jornal O Aperitivo

Find all the latest articles and watch TV shows, reports and podcasts related to Portugal

Espanha fecha, Argentina ultrapassa 100.000 pontos mortos

Por SudOuest.fr com AFP

A epidemia, que matou mais de 4 milhões de pessoas, está atingindo a costa em muitos países, levando alguns a restabelecer o controle.

Covit-19 é uma ameaça real em todo o planeta, mesmo no verão no Hemisfério Norte, obrigando muitos países a mudarem suas estratégias de saúde. Novas atividades, novos relatórios e destaques: atualizações sobre os últimos desenvolvimentos da epidemia.

Argentina cruza o ponto morto de 100.000

A Argentina ultrapassou 100.000 desde Kovit-19. O número de mortos no país de 45 milhões de pessoas é de 100.250 para mais de 4,7 milhões de casos, de acordo com um recente boletim de autoridades de saúde.

Espanha no momento da devolução das restrições

Fechamento de boates em vagas limitadas, reabertura de restrições de horário ou número de clientes e toque de recolher: o Kovit-19 enfrentou uma explosão repentina no número de casos, Diferentes partes da Espanha estão fechando gradualmente. A Catalunha, o epicentro desta quinta onda de epidemias, pediu que a justiça regional acendesse a luz verde para impor o toque de recolher noturno nas cidades mais afetadas, incluindo a capital Barcelona.

Contaminantes registrados no Senegal

O Senegal registrou um número recorde de poluentes do Govt-19 na quarta-feira, uma melhoria descrita como “deslumbrante” pelo presidente Maggie Sal, no entanto, não anunciou novas restrições de saúde poucos dias antes das grandes celebrações do Eid.

Indonésia, o novo centro do vírus Ásia

A Indonésia, que anunciou 54.000 novos casos de vírus corona em 24 horas na quarta-feira, ultrapassou a Índia para se tornar o novo centro de circulação do vírus na Ásia.

Imunização infantil: sons de alerta da ONU

A ONU soou o alarme na quinta-feira Risco de “catástrofe total” se não houver demora perigosa na vacinação de crianças com infecção por Govit-19 Se as restrições de saúde forem removidas muito rapidamente. Em 2020, 23 milhões de crianças já haviam morrido e, de acordo com estatísticas publicadas, não haviam recebido as três doses da vacina contra difteria, tétano e coqueluche ou DTP3, que atuam como medida primária. Quinta OMS e UNICEF. A rápida remoção das restrições de saúde contra crianças desprotegidas e coiotes – que estão um tanto protegidos de certas doenças infantis – já tem suas consequências, por exemplo, o surto de sarampo no Paquistão, segundo a OMS.

READ  O IPCC está se preparando para lançar seu 6º relatório em um clima sério

Eventos na França e Grécia

Mais de 19.000 pessoas protestaram na França em nome da “independência” contra o anúncio do presidente Emmanuel Macron de um passe de saúde, vacina e “ditadura”. Na Grécia, cerca de 4.000 pessoas protestaram no centro de Atenas contra as medidas governamentais anunciadas para conter a propagação da variante delta do vírus corona.

Duas doses essenciais da vacina contra a variabilidade delta

Gestão Duas doses da vacina são necessárias para proteger contra a variabilidade delta O vírus Corona, o regulador europeu, pediu aos estados membros da UE que acelerem seus programas de vacinação.

Epidemia na Rainha Elizabeth após parar em Chipre

Mais de cem tripulantes do porta-aviões naval britânico HMS Queen Elizabeth foram infectados com Covit-19 quando pousaram em Chipre no início de julho, de acordo com um oficial britânico e a mídia.

O Obelisco de Washington reabre ao público

O Monumento a Washington, símbolo da capital norte-americana, reabriu suas portas ao público após ficar fechado por seis meses, aproveitando a melhora do estado de saúde dos Estados Unidos para renovar o turismo.

Mais de quatro milhões morreram

A doença matou pelo menos 4.053 milhões de pessoas em todo o mundo no final de dezembro de 2019, de acordo com um relatório divulgado pela AFP na quarta-feira a partir de fontes oficiais. Os Estados Unidos são o país mais afetado com 608.104 mortes, seguido pelo Brasil (537.394), Índia (411.408), México (235.277) e Peru (194.606). Esses números são geralmente subestimados com base nos relatórios diários das autoridades nacionais de saúde. A OMS estima que o número de mortos pode ser duas a três vezes maior.