octobre 17, 2021

Jornal O Aperitivo

Find all the latest articles and watch TV shows, reports and podcasts related to Portugal

França condena comentários “inaceitáveis” e “indecentes” sobre o abandono de Mali

Mahal acusou o primeiro-ministro Sogoule Gogolla de estar “abandonado no ar” ao reestruturar uma presença militar no Sahel, na França.

Escreveu o artigo

Postou

Tempo de estudo: 1 minuto.

A França nega veementemente as acusações “Inaceitável” E “Indecente” d ‘“Derrubar” PM do Mali apela à ONU Trazido para o site. “Não há desvio francês, gostaria de começar por restabelecer a mentira (…) quando temos 5.000 soldados, abrimos mão de três direitos, e na última blindagem gostaríamos de ceder vários milhares de veículos estacionados no Sahel (…), que Esta não é a atitude normal de um país que quer sair. ”, A Ministra das Forças Armadas, Florence Barley, argumentou durante uma conferência na frente dos alunos da Science-Bo Paris na segunda-feira, 27 de setembro.

O primeiro-ministro do Mali, Sogoul Gokalla Megha, culpou a França no sábado “Caia no meio do avião” Ele defendeu a decisão de Bamako de iniciar negociações com a Wagner, uma empresa paramilitar privada russa, por meio da reestruturação de sua presença militar no Sahel. “Isso é muito hipócrita, isso é uma crença muito ruim, indecente especialmente esses comentários foram feitos no sábado, 25 de setembro, mas na sexta-feira, 24 de setembro, o 52º soldado francês deu a vida para lutar contra o terrorismo no Sahel.”, Angry Florence cevada.

“Meta” Procure Wagner “Não manter compromisso com a comunidade internacional” O ministro francês comentou, prevendo que o regime militar devolveria o poder ao povo realizando eleições no Mali em fevereiro de 2022. “Tenho uma ideia da data” Autoridades do Mali que chegaram ao poder por meio de um golpe em agosto de 2020 prometeram “Não cabe neles direito, eles querem estabilizá-lo. Mas limpar seus pés no sangue de soldados franceses de lá é inaceitável.”, Ela disse.

READ  Centenas de polysaro apoiando em Brasília quebraram bloqueio policial