septembre 20, 2021

Jornal O Aperitivo

Find all the latest articles and watch TV shows, reports and podcasts related to Portugal

O governo britânico quer receber 20.000 refugiados

O destino dos refugiados no Afeganistão divide a União Europeia. Quando As palavras de Emmanuel Macron Está chamando “Proteja-nos de fluxos migratórios irregulares significativos” Criticado na esquerda, o governo britânico anunciou na terça-feira, 17 de agosto, que acolheria 20 mil refugiados afegãos. O primeiro-ministro Boris Johnson na manhã de quarta-feira apresentou aos parlamentares as férias de verão reduzidas para discutir no parlamento uma ferramenta que facilitaria o acesso do Afeganistão ao território britânico.

O artigo é reservado para nossos assinantes Consulte Mais informação Afeganistão: Administrador assume posição firme sobre imigração ilegal após ataques da oposição

Somos gratos a todos que trabalharam conosco nos últimos 20 anos para tornar o Afeganistão um lugar melhor. Muitos deles, especialmente mulheres, precisam urgentemente de nossa ajuda. “Boris Johnson disse em um comunicado do Home Office. Ele falou pra si próprio Através do canal “Estou orgulhoso que o Reino Unido tenha pavimentado o caminho para que eles e suas famílias vivam em total segurança”.

O novo dispositivo visa receber 5.000 afegãos no primeiro ano “Ameaçado pela crise atual”Mulheres, mulheres e minorias religiosas em particular, diz o ministério do interior.

A simples citação não mencionou quando o governo não esperava receber 20.000 afegãos “Há quanto tempo”, Mas foi inspirado por um dispositivo que permitiu o estabelecimento de 20.000 refugiados sírios nos sete anos de 2014 a 2021. Isso se soma ao programa ARAP para trabalhadores afegãos empregados pelo Reino Unido. De acordo com dados do governo, o programa trouxe 2.000 afegãos e suas famílias ao Reino Unido desde 22 de junho, o que deve permitir que 5.000 ex-trabalhadores afegãos imigrem para o Reino Unido até o final do ano.

READ  Incêndio no Marrocos: mais de 700 hectares queimados, a mobilização continua

A Grã-Bretanha enviou cerca de 900 soldados a Cabul para garantir a evacuação de seus civis e funcionários locais. Desde sábado, 520 cidadãos britânicos, ex-funcionários afegãos e diplomatas fugiram do Afeganistão em aviões militares.

O artigo é reservado para nossos assinantes Consulte Mais informação Em Cabul, o avião sem esperança de milhares de afegãos

Os militares dos EUA evacuaram mais de 3.200 pessoas

Os militares dos EUA dizem que mais de 3.200 pessoas já foram evacuadas do Afeganistão por aviões militares, incluindo militares dos EUA.

A Força Aérea dos EUA também anunciou a descoberta “Restos humanos” Avião do exército bate no aeroporto de Cabul na segunda-feira Quando ele pousou na Base da Força Aérea de Al Udeid, no Catar, A porta-voz da Força Aérea dos EUA, Ann Stephanek, esclareceu que a empresa iniciou uma investigação.

“A investigação será concluída para obter todos os fatos sobre este trágico incidente.”, Ele acrescentou em um comunicado. Centenas de pessoas acompanharão e avaliarão todos os vídeos que circulam nas redes sociais da aeronave de transporte C-17 da Força Aérea dos EUA.

Cooperação EUA-Reino Unido

Diante da situação, Boris Johnson a “Abordagem integrada” E sediar uma cúpula virtual do G7 (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido). O presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro britânico já concordaram em uma entrevista por telefone em participar da cúpula na próxima semana.

Tem dois humanos “Saudamos a cooperação dos Estados Unidos e do Reino Unido” Em operações de deportação no Afeganistão, de acordo com os serviços do primeiro-ministro britânico. Eles também mencionaram “Devemos continuar a trabalhar em estreita colaboração com aliados e parceiros democráticos.” À frente do país, agora nas mãos do Taleban, ele prometeu a presidência dos Estados Unidos.

READ  Três pessoas morreram em um acidente de avião militar em um vôo de teste
O artigo é reservado para nossos assinantes Consulte Mais informação Afeganistão: europeus apanhados na retirada precipitada dos EUA

Mundo com AFP