décembre 6, 2021

Jornal O Aperitivo

Find all the latest articles and watch TV shows, reports and podcasts related to Portugal

O rim de um porco funcionou em um homem, o primeiro no mundo

Cientistas conseguiram fazer um rim de porco geneticamente modificado funcionar para humanos, um avanço que reflete as esperanças de muitos que aguardam por um transplante.

A operação ocorreu em 25 de setembro no NYU Langone Hospital, em Nova York. O rim não era estritamente encaixado no corpo humano, mas estava preso aos vasos sanguíneos do paciente que havia sofrido um derrame, e sua família aprovou o exame no nível superior de sua perna.

Se o sucesso for garantido, o porco poderá um dia ser criado com o objetivo de fornecer órgãos (não rins, mas pulmões, coração, etc.) aos humanos.

Experiência de dois dias

Robert Montgomery, diretor do Instituto de Transplante Langone da NYU, disse que o rim “funcionou bem” dois dias e meio após o teste. “Ele fez o que tinha que fazer, […] Ele produziu urina. “

Essa alternativa já foi experimentada em animais. Um rim de porco funcionou por um ano inteiro.

Mas esta é a primeira vez para um homem. Por um bom motivo: o corpo humano possui anticorpos que atacam um tipo de açúcar comumente encontrado em “todas as células de porco”, que Robert Montgomery explica, “rejeita imediatamente o órgão”. O animal foi geneticamente modificado para produzir este açúcar e nenhuma “rejeição renal rápida” foi observada.

“Muito aceitável”

Quase 107.000 americanos estão atualmente na lista de espera para um transplante de órgão, dos quais 90.000 são de rim. Todos os dias morrem 17 pessoas no país que precisam de uma cirurgia de transplante.

Por que um porco em vez de outro animal? “Os porcos têm o tamanho certo, crescem rápido e a ninhada contém muitos jovens”, respondeu o professor Robert Montgomery. “Isso é muito aceitável porque já usamos porcos para alimentação.”

READ  Restos mortais encontrados na Flórida combinam com o namorado do viajante americano KP Petito

As válvulas cardíacas de porco já são amplamente utilizadas em humanos e podem ser usadas para fixar sua pele em queimaduras graves.

Grandes ensaios clínicos podem começar “dentro de um ou dois anos”.

“Um passo interessante”

Como os resultados detalhados do estudo ainda não foram publicados na revista Science, alguns especialistas receberam a notícia com cautela. Alan Archibald, um geneticista da Universidade de Edimburgo, comentou: “Este é um passo interessante no caminho para o uso de porcos geneticamente modificados como fonte de transplante.

O Xenograph não é uma novidade para os humanos em relação aos animais. Os primeiros experimentos focados em animais, e os médicos têm tentado cruzamentos desde pelo menos o século XVII.

Em 1984, o coração de um babuíno foi transplantado para um bebê, mas o pequeno apelidado de “Baby Fay” sobreviveu apenas 20 dias.