Omigron: Os primeiros 3 sintomas que são comumente relatados em crianças

Em contraste com a variante delta, os sintomas da omigran parecem estar intimamente relacionados aos sintomas de um resfriado clássico. Aqui estão os que vêm com crianças com frequência.

Como o Omicron ainda está se espalhando pela Europa, as autoridades estão lutando para atualizar a lista de sinais oficiais. Até o momento, há pouca literatura oficial sobre o assunto e as informações são relativamente fragmentadas.

No Reino Unido, embora a omigran seja muito baixa, segundo o NHS (Health Authority of the Nation), a perda do olfato sempre faz parte de uma lista de três sintomas principais.

Devido à falta de informação a este respeito, o Notícias da noite de Manchester Deu a seus leitores a oportunidade de participar de um estudo empírico baseado em suas descobertas. O único imperativo para os leitores do jornal de Mancun: seu filho testou positivo para a variante Omicron.

A partir desse conselho, surge uma forte tendência e surgem os 3 primeiros dos sintomas recorrentes, com as crianças percebendo que podem desenvolver vários ao mesmo tempo.

Assim, 53% das crianças têm dor de cabeça, 48% febre e 46% coriza.
Fadiga, tosse e dor abdominal vêm em seguida neste ranking.

Esta sexta-feira, o Conselho Científico Britânico divulgou um novo relatório citando um aumento no número de crianças hospitalizadas. Cerca de 30% das crianças hospitalizadas com o vírus têm menos de um ano de idade durante a primeira onda. Entre dezembro e meados de janeiro, esse número aumentou para 42%. No entanto, de acordo com este painel de especialistas, “a gravidade da doença nas crianças é baixa”, e afirma ainda: “Para o pequeno número de crianças que chegam ao hospital, o tempo de permanência é geralmente mais curto e quando passam o à noite, muitas vezes permite que eles diagnostiquem outras infecções.

READ  Israel pediu preparativos para uma quarta dose da vacina

Em termos de sintomas, especialistas dizem que o ômega-3 se tornou mais um gatilho para “resfriados do que febres”.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal O Aperitivo