septembre 19, 2021

Jornal O Aperitivo

Find all the latest articles and watch TV shows, reports and podcasts related to Portugal

Poluição crescente em Israel, novos regulamentos

O governo judeu restabeleceu a obrigação de visitar restaurantes, hotéis, museus e bibliotecas e de apresentar um certificado de vacinação ou um teste PCR negativo para participar de eventos culturais e esportivos.

Novas restrições de saúde entraram em vigor em Israel na quarta-feira, registrando o maior número de infecções desde janeiro, apesar de uma grande campanha de vacinação contra o vírus corona.

O governo judeu restabeleceu a obrigação de visitar restaurantes, hotéis, museus e bibliotecas e de apresentar um certificado de vacinação ou um teste PCR negativo para participar de eventos culturais e esportivos.

A mudança também se aplicará a locais de culto para mais de 50 fiéis, disse o ministério da saúde em um comunicado, acrescentando que a capacidade em lojas e shopping centers agora está limitada a uma pessoa por sete metros quadrados.

Na esteira do aumento do número de pacientes, algumas medidas, como o uso de máscaras em espaços públicos e consultórios fechados, já estavam em vigor pelas autoridades em julho.

8.700 novos casos positivos na terça-feira

Até terça-feira, mais de 8.700 novos casos foram identificados por autoridades de saúde, o maior número desde janeiro. Em junho, apenas alguns casos diários foram detectados.

Em meados de dezembro, Israel foi um dos primeiros países a lançar uma grande campanha de vacinação que, graças ao seu acordo com o Laboratório Pfizer, rapidamente pagou milhões em taxas em troca de informações sobre o medicamento. Eficácia da vacina em sua população.

A campanha reduziu drasticamente a incidência, mas os contaminantes aumentaram novamente nas últimas semanas devido à disseminação da variante delta em adultos não vacinados, mas também em pessoas que foram vacinadas há seis meses.

Na semana passada, o estado hebraico começou a dar uma terceira dose da vacina para pessoas com 50 anos ou mais, apesar dos apelos da Organização Mundial da Saúde para proibir essas doses de reforço, já que os países pobres têm taxas de vacinação mais baixas.

READ  No Brasil, dezenas de milhares de manifestantes exigem a acusação de Jair Bolsanaro

O primeiro ministro Naphtali Bennett respondeu que a administração desta dose em Israel, que tem uma população de nove milhões, não afetaria os estoques globais, mas permitiria que o teste da 3ª dose fosse eficaz.

“O futuro do país”

Naphtali Bennett disse em uma entrevista coletiva à televisão na quarta-feira que gostaria de evitar uma nova prisão em setembro, quando muitos feriados judaicos são celebrados, porque “isso destruirá o futuro do país”.

Ele pediu aos israelenses que continuem a vacinar, dizendo que o país pode “vencer o delta”. “Está perto”, disse ele.

“A vacina funciona, é verdadeira e científica, salva vidas”, disse Bennett.

No total, mais de 959.000 pessoas foram afetadas em Israel, das quais quase 6.700 morreram. Mais de 5,4 milhões de pessoas receberam duas doses da vacina, 58% da população, e cerca de 1,1 milhão de pessoas receberam a terceira dose.

Do lado palestino, as autoridades também identificaram um aumento na poluição a partir de 1º de agosto, quando surgiu o número de novos pacientes diários a partir de 1º de agosto, segundo dados do Ministério da Saúde.

Dos cinco milhões de pessoas que vivem na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza, apenas 432.000 palestinos receberam duas doses da vacina.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al-Godra, lamentou que apenas 11% dos elegíveis para a vacina foram vacinados, acrescentando que “a Faixa de Gaza entrou na 3ª onda de epidemias”.