Ucrânia: ONU Conflito entre Moscou e Washington no Conselho de Segurança – 31/01/2022 às 18:37

Durante o treinamento em Kiev, Ucrânia (AFP / Sergei SUPINSKY) em 30 de janeiro de 2022, um instrutor do exército ensina ao público como segurar fuzis Kalashnikov.

Durante o treinamento em Kiev, Ucrânia (AFP / Sergei SUPINSKY) em 30 de janeiro de 2022, um instrutor do exército ensina ao público como segurar fuzis Kalashnikov.

A Rússia e os Estados Unidos pediram na segunda-feira às Nações Unidas que suspendam as tropas estacionadas em Moscou, perto da Ucrânia.

Além desta primeira reunião do Conselho sobre a Crise na Ucrânia, o presidente Joe Biden alertou em um comunicado que “se a Rússia se retirar da diplomacia e atacar a Ucrânia, (ela) assumirá a responsabilidade e enfrentará consequências imediatas e sérias”.

O Conselho de Segurança solicitou que, além das inspeções em andamento da Agência Internacional de Energia Atômica no Irã, monitorasse a conformidade do Irã com “as medidas exigidas pelo Conselho da AIEA”. “Esta reunião é um passo decisivo para que o mundo fale a uma só voz”, disse. disse Biden.

O embaixador da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nepensia, imediatamente acusou Washington de “criar histeria” e “enganar a comunidade internacional” com “alegações infundadas”.

Sua enviada dos EUA, Linda Thomas-Greenfield, respondeu que o envio de mais de 100.000 soldados russos ao redor da Ucrânia era uma ameaça à “segurança internacional”. Com mais de 30.000 soldados adicionais na Bielorrússia, seu domínio está muito próximo do Kremlin.

Vasily Nefenzia e o bielorrusso Valentin Rybakov pediram um “exercício militar conjunto” em fevereiro. .

Antes do conselho, Vasily Nebenzia perguntou em que base o Ocidente poderia confirmar que mais de 100.000 soldados russos estavam estacionados nos subúrbios da Ucrânia, lembrando a garantia de Washington de armas de destruição em massa antes da invasão do Iraque em 2003. Neste país, não encontrado.

– “Sem intervenção militar” –

Em tom comedido, o embaixador ucraniano na ONU, Sergei Kislitskaya, pediu que seu país não seja “ameaçado” por operações militares. Ele disse que a “prioridade na região de Donbass, no leste da Ucrânia, era alcançar um cessar-fogo”, com confrontos com separatistas ucranianos apoiados por Moscou.

Durante uma reunião regular dedicada aos Acordos de Minsk visando apaziguar Donbass, a ONU O Conselho de Segurança deve se reunir novamente na Ucrânia em 17 de fevereiro.

Inaugurando a sessão do conselho, a subsecretária-geral da ONU para Assuntos Políticos, Rosemary Dicarlo, disse que a atual crise em torno da Ucrânia “não é uma alternativa à diplomacia”. Ele acrescentou que “não deve haver intervenção militar para resolvê-lo”.

O presidente Biden se reunirá com seu aliado Emir do Catar, Sheikh Tamim bin Hamad Al-Thani, na segunda-feira, que discutirá a segurança de gás da Europa e “maneiras de garantir a estabilidade do suprimento internacional de gás”. Segundo a Casa Branca. Energia.

De acordo com Moscou e Washington, uma conversa telefônica ocorrerá entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia e dos EUA, Sergei Lavrov e Anthony Blinken, na terça-feira.

– Novas restrições –

Os Estados Unidos e o Reino Unido selaram no domingo a ameaça de novas sanções contra a Rússia.

Londres indicou que quer atingir os interesses russos “diretamente interessados ​​no Kremlin”. Na segunda-feira, Moscou respondeu acusando autoridades britânicas de preparar “ataques” contra empresas russas e prometendo “responder” se necessário.

Mapa mostrando o destacamento de tropas russas na fronteira ucraniana (AFP/)

Mapa mostrando a implantação de tropas russas na fronteira ucraniana (AFP /)

Em Washington, autoridades eleitas disseram que o Congresso estava perto de concordar com um projeto de lei que imporia novas sanções contra a Rússia.

Entre o arsenal de sanções mencionado está o estratégico gasoduto Nord Stream 2, entre a Rússia e a Alemanha, ou o Reino Unido e os Estados Unidos que planejam direcionar o acesso à bolsa do dólar russo, a rainha do comércio internacional.

Moscou é acusada de preparar 100.000 soldados para um ataque à fronteira ucraniana desde o final de 2021.

A Rússia nega quaisquer planos nesse sentido, ao mesmo tempo que rejeita a adesão da Ucrânia à OTAN e exige garantias escritas de sua segurança, incluindo o fim do fortalecimento militar da Aliança Atlântica no Leste.

Os Estados Unidos rejeitaram este importante pedido em resposta escrita a Moscou. O Kremlin disse que está considerando sua reação.

– Envie tropas –

Muitos países ocidentais anunciaram recentemente o envio de novas tropas para a Europa Oriental.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, proporá o envio de tropas à Otan nesta semana em resposta à “postura anti-russa” contra a Ucrânia.

Treinadores militares e civis durante treinamento em Kiev, AFP / Sergei SUPINSKY, 30 de janeiro de 2021

Treinadores militares e civis durante treinamento em Kiev, AFP / Sergei SUPINSKY, 30 de janeiro de 2021

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, sua contraparte alemã Annalena Beerbock e o primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki são esperados em Kiev esta semana.

A ministra da Defesa canadense, Anita Anand, que está prestando assistência militar à Ucrânia, chegou lá no domingo em uma visita de dois dias. Ele anunciou a mudança de tropas militares canadenses para o oeste da Ucrânia.

prh / nr / seb

READ  "Muito perigoso", o furacão Ida atingiu a Louisiana

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Jornal O Aperitivo